quinta-feira, 29 de junho de 2017

À Ennes (Silveira Mello)

   Poesia intitulada "À Ennes" (pelo teu aniversário), escrita por Francisco Lagreca em coletânea publicada em 1959 pela Prefeitura Municipal de Piracicaba.

   “O primeiro piracicabano a morrer no campo de batalha foi Ennes Silveira Mello. Filho de José e Malvina Sampaio Silveira Mello, Ennes nascera em 27 de novembro de 1905. Era solteiro e agrimensor. Ele pertencera ao primeiro batalhão de voluntários e tomava parte na Frente Norte dos combates, em proteção da Fazenda Moraes em Queluz. No dia 15 de agosto de 1932, estava, com outros soldados, construindo um abrigo contra aviões na trincheira onde se encontravam. Tudo estava calmo, não havia batalha. Ennes saiu da trincheira para buscar taquaras que camuflassem a defesa quando foi atingido por rajadas de metralhadora que, na véspera, tinha sido montada, pelo inimigo, numa moita. Levado para o Hospital de Cruzeiro, morreu no dia 17. A morte de Ennes Silveira Mello acendeu ainda mais o fervor patriótico em Piracicaba. A mãe de Ennes, Malvina, em vez de lamentar a morte do filho, convocou a juventude para continuar a luta. Para o lugar de Ennes Silveira Mello, apareceram mais 50 voluntários.



segunda-feira, 19 de junho de 2017

"Poesias" de Francisco Lagreca


   Lançado por ocasião do 192º. aniversário de fundação de Piracicaba, o livro "POESIAS DE FRANCISCO LAGRECA" era uma coletânea de poesias escritas a partir de 1901 pelo escritor consagrado em Piracicaba. É dele o verso estampado no Monumento ao Soldado Constitucionalista de 1932, situado na Praça José Bonifácio, em Piracicaba. Ele foi um dos mais ferozes críticos à ditadura de Getúlio Vargas durante a Revolução de 1932, tendo artigos publicados durante os três meses do conflito nos jornais "O Momento" e "Jornal de Piracicaba". 
   O livro "POESIAS" tem mais de 200 páginas, foi editado pelo Departamento Municipal de Cultura em 1º de agosto de 1959, através da Editora Aloisi Limitada. O Departamento possuía em seu corpo Sebastião Ferraz (presidente), Joaquim do Marco (secretário), Severiano Alberto Ferraz Filho (tesoureiro) e Leandro Guerrini (membro). O livro tinha prefácio de Losso Netto.
   O destaque nesta obra fica para três poesias escritas em 1932, por ocasião da Revolução Constitucionalista, intituladas "Na noite grande da vigília" (Às mães piracicabanas na véspera da partida de seus filhos), "O leão que dormia..." (Ode ao povo paulista que despertou para a guerra) e "A Ennes" (pelo teu aniversário).


sábado, 3 de junho de 2017

50 anos FORMAR

O Instituto Formar - antiga Guarda Mirim de Piracicaba - lançou livro sobre seus 50 anos de atuação na cidade. Faça download da edição virtual neste link - http://www.institutoformar.org/instituto-formar--livro-50-anos